06 agosto 2018

RUMORES: EXPOSIÇÃO DE BJÖRK PODERÁ VIR A SP

Depois de passar por várias cidades americanas e europeias, a exposição' Björk Dgital" poderá ser montada em São Paulo. Será?

Björk
http://www.chilango.com/ocio/expo-bjork-digital-en-la-cdmx/

Veja como foi na cidade do México:


Saiba mais aqui.

Estamos esperando!

26 junho 2018

BOLETIM FAEB | JUNHO 2018

Boletim FAEB | Junho 2018

Informações sobre GTS CONFAEB 2018, ensaio visual de Olga Egas, entrevista com Federico Bujan e muito mais....

CLUBE DE LEITURA TRAMAS URBANAS: "PARIS É UMA FESTA" DE ERNEST HEMINGWAY


O Museu da Cidade de São Paulo convida a todas e todos ao clube de leitura Tramas Urbanas*.
Para participar, você pode ler o livro todo, algum trecho, ou só se interessar pela discussão. O encontro de julho será em torno do livro "Paris é uma festa" de Ernest Hemingway.

*Por meio de livros escolhidos a cada encontro, o clube tem como proposta traçar uma interface entre a leitura e a cidade, buscando formas de encarar e discutir a literatura como memória das vivências urbanas de autores e personagens.

TROCAS E OLHARES: MEDIAÇÃO E EDUCAÇÃO EM ARTES VISUAIS PARA EDUCADORES



07 junho 2018

ANA MAE INFORMA: VISITA A UMA EXPOSIÇÃO MUITO SIGNIFICATIVA


O SESC Ipiranga e o Museu do Ipiranga estão fazendo parcerias para exposições históricas.

O Museu do Ipiranga estará fechado até 2022 para reforma, mas tem um acervo histórico excepcional. Sua diretora, a historiadora Solange Ferraz de Lima, e o conhecido e celebrado designer Chico Homem de Melo, também da USP, organizaram a exposição “Papéis Efêmeros: memórias gráficas do cotidiano”.


Imagem: https://www.sescsp.org.br/unidades/5_IPIRANGA/#/uaba=programacao#/fdata=id%3D5 

É uma exposição para especialistas em design gráfico, adultos de qualquer profissão, e principalmente as crianças, vão adorar.

Fundamentalmente, é uma exposição para avivar a memória e todos os sentidos. Você poderá rememorar até o gosto daquela bala que você costumava comer quando era criança ao ver na exposição o papel que a embrulhava.

Danilo Miranda, um exemplo de gestor impecável e muito inteligente, no catálogo em forma de jornal chega a falar em “Ouvir os Impressos” pois “rótulos, embalagens, anúncios e publicações, em geral sem autoria identificável, contam histórias coletivas cuja compreensão permite leituras mais lúcidas não apenas do passado, mas dos tempos que correm”.

Uma equipe de educadores excelente recebeu meus alunos de Estudos Visuais da Universidade Anhembi Morumbi. Liderados por Danielle Sleiman, cujo trabalho muito dialogal eu já conhecia de outro Centro Cultural, nos fizeram descobrir diferenças culturais e fazer diferentes leituras ao passearmos pelos diferentes núcleos da exposição que são:

- Núcleo Cultura que mostra de livros de receita a impressos de música(1900 a 1950);

- Núcleo Educação onde se pode ver o início da propaganda de São Paulo como o estado educador na década de 20. Quem tem mais de 40 anos vai encontrar  alguma coisa que lembre sua escola pois os anos 20 perduraram até os anos 80 mais ou menos.

- O Núcleo Consumo é variadíssimo.  Trata-se da coleção de Egydio Colombo Filho (1955-2013) que pertence ao Museu do Ipiranga. É o Núcleo que mais apela para a comparação visual, principalmente de rótulos do mesmo produto através do tempo como a vitrine de rótulos de água mineral Lindoya, cujo testemunho gráfico representa o equilíbrio entre a persistência e a mudança.

O Núcleo de Técnicas de Impressão e o de Poéticas do Efêmero são os mais sedutores como também é muito sedutor o Design da exposição com vinhetas de detalhes dos impressos que animam o espaço magnifico do SESC Ipiranga, o qual cultiva a impressão de quintal para brincar.

É uma variável muito interessante para se opor ao “cubo branco” copiado a exaustão pelos nossos museus conservadores, embora de Arte Moderna e Contemporânea, uma contradição. 

Lembrou-me o modo de expor da Coleção Barnes na época de seu criador (anos 70) injustamente difamado.

A exposição ficará até setembro. Em julho haverá uma programação efêmera muito animada e significativa para crianças e adultos e até para colecionadores que terão um dia para mostrar suas coleções de material gráfico.

Professores ganham material didático muito bom para estes tempos de Copa, um álbum de figurinhas não de jogadores, mas rememorador da exposição, uma herança do ideário da Escola Nova: reforço de aprendizagem pela imagem.





Ana Mae Barbosa, especial para AEOL - Arteducação Online

06 junho 2018

A FOTOGRAFIA NA ARTE CONTEMPORÂNEA E O TERRENO DA FICÇÃO

A pesquisadora Daniela Maura Ribeiro ministrará uma palestra em 21 de junho no Centro de Pesquisa e Formação do SESC sobre fotografia e ficção na obra dos artistas Regina Silveira e Carlos Fadon Vicente.

Corre se inscrever aqui porque são poucas vagas.