08 março 2019

ANA MAE CONVIDA: CONGRESSO DE ENSINO/APRENDIZAGEM DAS ARTES NA AMÉRICA LATINA: COLONIALISMO E QUESTÕES DE GÊNERO

Acontecerá entre 23 a 25 de abril em São Paulo um congresso internacional sobre ensino e aprendizagem da arte na América Latina.

Organizado por Ana Mae Barbosa, tratará de colonialismo e questões de gênero.

Imagem: Divulgação/SESC SP

As inscrições abriram hoje e podem ser feitas aqui. Corre!

I-M-P-E-R-D-Í-V-E-L !

24 dezembro 2018

FELIZ NATAL!

Nós, do AEP e do AEOL, desejamos a tod@s que o Natal seja luminoso e que o Ano Novo continue repleto de arte e educação!


Até 2019!

10 dezembro 2018

ANA MAE INFORMA: NOTÍCIAS DE MOÇAMBIQUE


Ao ser convidada para o Seminário da InSEA, Building Social Cohesion through Arts Education na Namíbia, avisei que estaria na África, no começo de novembro, ao professor Lourenço Cossa de Moçambique de quem examinei uma excelente tese de Doutorado orientada por Analice Dutra Pilar na UFRGS. Ele imediatamente me convidou para dar uma palestra na Universidade Pedagógica na Escola Superior Técnica, Departamento de Desenho e Construção no qual ele é o único professor Doutor, responsabilidade enorme para meu colega moçambicano. Sei disto por experiência própria pois por quase dez anos fui a única doutora em Arte/Educação no Brasil. Depois disto nos desenvolvemos muito rapidamente graças a criação de linhas de pesquisas nas Pós-Graduações em Artes e Educação.

Os moçambicanos foram excelentes hospedeiros. Reuniram mais de duzentos professores para ouvir minha palestra que eles intitularam de Ensino da Educação Visual/Artes e formação de professores. Lá em Moçambique o nome da Disciplina de Artes no currículo do ensino Fundamental e Médio é Educação Visual. Os burocratas da educação estão querendo retira-la do Ensino Médio como o governo Temer fez no Brasil. Com eu já havia notado no Seminário da InSEA na Namíbia os homens, também em Moçambique são a maioria dos professores de Arte, diferentemente do Brasil onde esta área é maciçamente feminina.

A mesa de abertura de minha palestra foi composta de pessoas importantes na Universidade e também convidaram Sílvia Bragança, arte/educadora, professora de História da Arte e curadora. Trabalhamos juntas muitos anos no Conselho Mundial da InSEA no qual ela representava a África e eu a América Latina (1984 a 1994). Silvia é viúva de Aquino de Bragança um dos heróis libertadores de Moçambique que morreu no atentado ao Presidente Samora Machel. Aquino de Bragança era jornalista e intelectual, criador e diretor do Centro de Estudos Africanos da Universidade Eduardo Mondlane. Visitei com Silvia esta Universidade onde ela iniciou em Moçambique a área de Educação Visual. Silvia é extremamente respeitada e querida por toda a intelectualidade do país que adotou, pois nasceu em Goa na Índia, em 1937.

 No dia da palestra, 6 de novembro, fui entrevistada por TV e Rádio. O auditório produziu um excelente e quase interminável diálogo depois de minha palestra. As perguntas que se seguiram eram oportunas e inteligentes, demostrando conhecimento de meus livros, especialmente da Abordagem Triangular.  São alunos, professores e artistas atualizados nas pesquisas sobre Ensino da Arte, o que lhes falta é a ampliação das estruturas institucionais e criação de mestrados e doutorados.

No dia seguinte tive um encontro com o grupo com o qual Lourenço trabalha. Estão se titulando fora do país. Mestre Rangel Manjate é um teórico complexo, designer gráfico e professor em Educação Visual, Marcos Muthewuye um escultor muito talentoso e José Hoguane, que está terminando o doutorado em Portugal, é um excelente conhecedor de políticas culturais e coordenador dinâmico de um departamento.

À tarde visitei com Lourenço as instituições Culturais de Maputo como Museus, Centros Culturais, Galerias de Arte e Centro de Artesanato, onde vi excelentes trabalhos. A Fundação Fernando Leite Couto criada em 2015 em homenagem ao poeta falecido em 2013, irmão de Mia Couto, foi talvez a visita mais agradável. Conversamos com pessoas que o estavam visitando, um artista local, um garçom conhecedor de Arte, todos entusiasmados pelo trabalho em Literatura e Artes Visuais que a Fundação faz. Naquele dia, 7 de novembro, estava sendo inaugurada uma exposição de Manuel Bata intitulada “Os sentimentos das mãos” e na noite anterior havia sido lançado um livro para crianças de Mia Couto. Em três anos a Fundação criada pela família Couto já se tornou um fator de mudança, pois vem respeitando seu lema “Fazer junto com os outros”.

Imagem: https://pt.wikipedia.org/wiki/Funda%C3%A7%C3%A3o_Fernando_Leite_Couto 

Vendo a ação multiplicadora de Lourenço Cossa em seu departamento reforçou-se minha convicção de que os programas de bolsas de estudos do Brasil para nossos colegas africanos são essenciais para que conheçamos as culturas uns dos outros e as reforcemos mutuamente.


Ana Mae Barbosa, especial para AEOL

04 novembro 2018

CRIOLO RESUME A POLÍTICA BRASILEIRA RECENTE EM "BOCA DE LOBO"

Se você ainda não ouviu e nem assistiu "Boca de lobo" lançado às vésperas do primeiro turno das eleições que nomearam Jair Messias Bolsonaro como o 38º presidente da era republicana do Brasil, é bom saber que se trata de um resumo dos fatos políticos que marcaram a nação brasileira desde as manifestações iniciadas em junho de 2013.

Estão presentes em "Boca de lobo":

- bate panela em varanda gourmet;
- incêndio em prédio ocupado no Largo do Paissandú/SP, em museus e em reservas indígenas;
- prisão de Rafael Braga acusado de portar produto para fazer coquetel molotov;
- escândalo das merendas em São Paulo;
- explosão na Praça da Sé;
- doenças em presídios;
- direitos humanos;
- perseguição e prisão duvidosa de negros, indígenas e mestiços;
- ração humana de Dória;
- elogio à diversidade da cultura brasileira;
- poder das redes sociais;
- recatada e do lar;
- fake news;
- pós-verdades;
- PEC 55 - Proposta de Emenda Constitucional sobre o teto dos gastos públicos, aprovada em dezembro de 2016, que congelou os gastos com educação e saúde até 2036;
- destaque para o alto nível de estudantes da escola pública no Ceará;
- guerra dos tráficos;
- aforismos: textos curtos com sentenças ou princípios práticos/morais;
- alusão à paz em culturas e religiões afro/brasileiras;
- hipocrisia social;
- crítica à hegemonia cultural;
- tucano caça helicóptero que pulveriza pó branco (cocaína) sobre as pessoas;
- políticos presos;
- cobra grande corre por todos os lados;
- carteira escolar pega fogo como alusão às ocupações escolares contra o fechamento de escolas públicas e os descasos com a educação;
- Petrobrás;
- Albert Camus e Dalai Lama são citados;
- porco chafurda na lama que devastou Bento Rodrigues na cidade de Mariana/MG;
- Janaína Pascoal roda a bandeira no centro da cidade e São Paulo;
- evangélico bate na bíblia;
- Marielle Franco em seu vestido florido;
- La la land não é aqui;
- crítica ao SUS;
- novo herói da Disney virá da Cracolândia;
- dinheiro na cueca;
- dinheiro no apartamento de Geddel Vieira;
- morcego alude ao "presidente temeroso" e sobrevoa o Congresso Nacional.

Pois é! Boca de lobo leva para o esgoto. Confira:


Tem muito mais. Acesse aqui a análise da galera do "Pensado nisso".

José Minerini
Editor AEOL

05 outubro 2018

ANA MAE INFORMA: MINISTROS CRITICADOS POR ESTUDANTES NO CHILE

Na Escola San Ignacio El Bosque os alunos fizeram nos inícios de setembro uma intervenção artística na aula de Artes em que os rostos de alguns dos ministros do governo do presidente Sebastián Piñera aparecem nos mictórios do banheiro do estabelecimento de ensino da Providencia.

Os rostos dos ministros Felipe Larraín (Tesouro), Emilio Santelices (Saúde), Isabel Plá (Mulher e Equidade de Gênero) e do ex-ministro da Cultura, Mauricio Rojas, são alguns dos que aparecem na intervenção com o logotipo do ministério com suas respectivas posições.

Intervenção artística em San Ignacio El Bosque
Imagem: Reprodução Twitter (https://www.publimetro.cl/cl/social/2018/09/09/colegio-san-ignacio-bosque-polemica-intervencion-urinarios-rostros-ministros.html)

Essas imagens foram acompanhadas por uma citação do filósofo francês Jacques Rancière: "A política começa justamente onde as perdas e os lucros não se equilibram, onde a tarefa consiste em dividir as partes do comum".

Uma amiga minha, Arte/Educadora no Chile me pediu para assinar e difundir uma carta em favor da Educação Artística no Chile, pois as críticas depois do acontecido são enormes contra a área. A professora está com seu emprego perigando.


Ana Mae Barbosa, especial para AEOL

___________________


AEOL informa: A carta em favor da Educação Artística no Chile não está mais aceitando assinaturas. Acesse-a aqui.

06 setembro 2018

EXPOSIÇÃO "C* É LINDO" FOI ATACADA EM SALVADOR

Tirei um período de férias e estou um pouco atrasado com as notícias de arte e educação, as quais estou tentando colocar em dia.

Polêmica,  contradição e controvérsia fazem parte do universo das artes e tem muita gente que ainda não entendeu isso.

Após críticas pouco fundamentadas a exposição, performance e peça de teatro que todo mundo já sabe, o alvo mais recente foi a exposição "C* é lindo" de Kleper Reis que esteve montada até 12 de agosto no Instituto Goethe de Salvador.

Mesmo com classificação indicativa de 18 anos, foi atacada por conservadores e pessoas que nada entendem de arte.

Fotografia: Mauro Akin Nassor/CORREIO
Disponível em: http://blogs.correio24horas.com.br/mesalte/o-que-eu-vi-na-polemica-exposicao-cu-e-lindo/ 

Como o nome diz - a exposição que ficou fechada durante um dia por conta dos ataques - foi dedicada ao ânus, e ao amor segundo o artista.

É! Estamos vivendo mais um perigoso momento no mundo, o qual, confesso, não imaginei viver, pois histórico e consciência dos males que posturas nefastas provocam são de longe sabidos.

Saiba mais sobre os ataques a essa exposição aqui.

José Minerini

04 setembro 2018

ANA MAE INFORMA: INTERNATIONAL YEARBOOK FOR RESEARCH IN ARTS EDUCATION

Acaba de ser publicado o International Yearbook for Research in Arts Education. Munique e New York: Editora WAXMANN, 2018.

Imagem: https://www.waxmann.com/waxmann-buecher/?tx_p2waxmann_pi2%5Bbuchnr%5D=3797&tx_p2waxmann_pi2%5Baction%5D=show 

Tem quase 500 páginas e seis contribuições da América Latina. 

Duas sobre Música, uma do México - principalmente sobre a formação de professores na Universidade Panamericana - e outra do Brasil de Magali Kleber, um artigo muito bom sobre música nas ONGs brasileiras.

Outro artigo latinoamericano é de Alejandra Orbeta (Chile) que fala de uma pesquisa comparativa entre Chile, Brasil, Argentina e Colômbia. Trata-se de uma pesquisa acerca das políticas públicas e conclui que seguimos os objetivos da UNESCO (2006, 2010). Ela termina dizendo que se de um lado Artes Educação (designação usada no livro) nestes quatro países promove a tradição - especialmente em relação à cultura autóctone e ao artesanato - do outro encoraja a criatividade, a inovação e as mudanças.

Há ainda um magnifico artigo de Gloria Restrepo da Colômbia sobre Artes Educação na construção de uma paz sustentável.

Ela dá  relevância ao contexto: Arte Educação tem que responder  às necessidades do país. Ressalta que precisamos de mais pesquisas para provar a importância social das Artes para reverter os terríveis danos provocados ao ser humano pelas relocações forçadas, desigualdade, insegurança física, violência, luta pela terra, etc.

Por fim temos um artigo muito bom de Camila Malig Jedlicki, participante do Projeto  de Pesquisa MONAES (Monitoring Arts Education Systems) da UNESCO coordenado por Tenis Ildens no Netherlands Center of Expertise for Cultural Education and Amateur Arts, que tinha como objetivo monitorar a agenda de qualidade da Unesco em todos os países membros desta organização.

Aliás, o livro foca principalmente nos resultados desta pesquisa. Na primeira parte da pesquisa - realizada em fevereiro de 2006 - entrevistaram 312 especialistas de 56 países sobre a interpretação individual de cada um acerca da função das Artes Educação e seu envolvimento e compromisso pessoal. Na segunda, se aplicou em maio de 2006 um questionário sobre os objetivos da UNESCO em cada pais: ACESSO, QUALIDADE e RESOLUÇÃO DE DESAFIOS. Foi respondido por 214 arte educadores de 52 países. 

A distribuição dos respondentes foi muito desigual: 
- 72% da Europa e Estados Unidos;
- 21% da Ásia do Pacífico; 
- 6% da África, Estados Árabes e América Latina.

Camila explica que enviou questionário aos membros do CLEA (Consejo Latinoamerincano de Educación por el Arte) e outros especialistas no total de 85 pessoas e só obteve 26 respostas. Pesquisou o número de publicações e o resultado foi:
- Brasil 18%;
- Colômbia 17%;
- Chile 14%;
- Argentina 12%;
- México 11% ;
- 19% do que é publicado na América Latina é de autores de fora da região. 

Camila, inteligentemente mas de forma discreta, aponta nossa dependência cultural em relação á Europa,
mostrando que 36% das editoras que publicam livros e revistas com artigos sobre Artes Educação na América Latina
são estrangeiras,  principalmente de Espanha e Portugal.

Meu artigo publicado nessa edição menciona várias experiências positivas e decoloniais na América Latina. No Brasil o "Tear", o "Daruê Malungo" e o "Projeto Casa Grande", os três com mais de 20 anos.

Uruguai, Taller Barradas e Bienais; Mexico, La Nana isto é CONARTE ;Paraguai , TEIJ; Argentina IMEPA e Rede Cossettini; Guatemala  Musica e Creatorio; Cuba DUPP.

Trata-se de um livro que nos mostra o que acontece em Arte/Educação no mundo.

Ana Mae Barbosa, especial para AEOL.