13 março 2010

EXPOGRAFIA DO MUSEU AFROBRASIL TEM FUNDAMENTO EDUCATIVO

Severas críticas já foram feitas à expografia que acolhe o acervo do Museu AfroBrasil. Situada no segundo andar do Pavilhão Manoel da Nóbrega no Parque do Ibirapuera em São Paulo, num primeiro olhar  as cores das paredes expográficas - asim como suas disposições - confundem a percepção. Entretanto, basta analisar com cautela o "Roteiro de Visita ao Acervo" (vendido na loja do museu) publicado junto ao Núcleo de Educação para constatar que essas críticas se fundam em critérios não atentos à arte/educação.

Acesso e segundo andar do Museu AfroBrasil

A expografia é organizada em módulos diferenciados por cores. Caso pretenda-se conduzir uma visita sobre escravidão no Brasil, ou sobre pintores negros, cultos afrobrasileiros, herança africana, etc é justamente a colorida expografia que contribuirá para a delimitação da visita pretendida. O "Roteiro de Visita" indica seis seções intercambiáveis que possibilitam atingir qualitativamente os objetivos junto a seus alunos.

Saiba mais sobre o museu em http://www.museuafrobrasil.com.br/index_01.asp

Conheça outras publicações do Núcleo de Educação que poderão contribuir com suas aulas/visitas em http://www.museuafrobrasil.com.br/publicacoes_educacao.asp

José Minerini
http://www.arteducacaoproducoes.com.br/index.html

--------------

2 comentários:

Rejane disse...

Para lembrar, o "Roteiro de visitas ao acervo" do Museu Afro foi analisado na dissertação de Christine Coutinho Orloski, defendida em 2008 no Programa de Pós-graduação em Artes do Instituto de Artes da UNESP. O trabalho pode ser acessado pelo site: http://www.ia.unesp.br/pos/stricto/artes/dissertacoes_artes/dissertacoes_artes2008.php

ARTEDUCAÇÃO ONLINE disse...

Trata-se de ótima pesquisa de Chris Coutinho Orlosky para refletir sobre materiais gráficos educativos.

Rejane, obrigado, pela lembrança!