01 agosto 2011

É O SACI URBANO

Quem mora em São Paulo já deve ter se encontrado com o Saci grafitado pelos muros da cidade associado às discussões ambientais de nosso tempo.

Confira:


Saci Urbano também vem atacando personagens dos quadrinhos americanos. Veja um exemplo:



Questionamento AEOL: Será possível não receber influências culturais de outros países? Saiba mais sobre o Saci Urbano aqui.

Veja abaixo Bebel Gilberto como Narizinho, Ricardo Graça Mello da "Turma do Balão Mágico" como Pedrinho, Baby Consuelo como Emília, Moraes Moreira como Visconde de Sabugosa, Jorge Ben como Saci e a cantora gospel Aline Barros junto à trupe. Produzido pela Globo em 1982, este programa comemorou os 100 anos de nascimento de Monteiro Lobato.


Contou também com a participação de Dona Invone Lara como Tia Anastácia e Ângela Ro Ro vestida de bruxa na sequência dedicada à Cuca. Assista:



José Minerini
AEP 10 ANOS
http://www.arteducacaoproducoes.com.br/
-----------------------------------------------------

3 comentários:

Val e Kakau disse...

Uma pessoa curtiu isso... hahaha, deveria ter essa possibilidade, como no facebook. Adorei rever os clipes do especial do Sítio... eita anos 80...
Ah, respondendo à provação: não, não é possível resistrir Às influências externas, não é, nunca foi e nunca será... graças aos deuses...
bjos
val

Val e Kakau disse...

Ah, de novo... o Saci urbano é tudo isso... ele é urbano, o que pode parecer contraditório... ele é uma mistura de tudo, dizem que era um mito indígena, incorporado pelos negros escravos, aí ele virou negro e perdeu a perna, e o capuz? é a mesma ideia dos gorrinhos dos duendes europeus... não é o máximo??? adoro, e aquele grafite no qual ele vai dar uma estilingada no homem aranha... adooooro
bjos
val

ARTEDUCAÇÃO ONLINE disse...

Val, Kakau, tudo bom?
De fato é muito interessante: o Saci é um mito rural deslocado para a urbe.

Interessante também é pensar que em grandes centros como São Paulo ele é bastante conhecido porém pouco representativo pela magia e encantamento, possivelmente por não se inserir nos contextos metropolitanos.

Neste caso, talvez as lendas e mitos urbanos (pela proximidade) possam contribuir para a percepção da representatividade dos mitos rurais.

Obrigado pelo comentário.